Clínica Dra. Edinalva Braz

Qual o papel do Obstetra?

gestante acompanhada pela obstétra

A obstetrícia é a área de medicina que cuida do período reprodutivo da mulher. O obstetra tem um papel fundamental vida da mulher, atuando:

– na pré concepção orientando as pacientes especialmente as que sejam portadoras de patologias pré existentes
(hipertensão, diabetes, distúrbios da tireóide, mal passado obstétrico, partos prematuros);

– na gestação de baixo e alto risco, cuidando tanto da saúde da gestante e do desenvolvimento do
feto para um desfecho favorável gestacional;

– na assistência obstétrica humanizada seja o parto cesariana ou vaginal;

– no puerpério (pós-parto) nos seus aspectos fisiológicos e patológicos.

Pré-Natal

O pré-natal é que garantirá a saúde e segurança da mãe e o bom desenvolvimento do bebê. 

O chamado pré-natal acompanha à gestante desde o resultado positivo para a gravidez, durante os nove meses gestacional, visando diagnosticar, tratar e evitando problemas futuros para a mãe e o bebê na gestação, no momento do parto e no pós parto. 

É necessário um mínimo de 12 consultas com sua obstetra, sendo realizadas mensalmente e a partir do 7° mês devem ser quinzenais ou semanais.

Gestação de Alto Risco

Gestação de alto risco é quando a gestante que tem uma doença prévia ou durante a sua gravidez, que sugere que essa seja uma gravidez de risco.

São três condições que determina a gestação de alto risco:

1.as mulheres com doenças crônicas prévias à gestação:

que sofrem de hipertensão arterial, diabetes, lúpus, doenças psiquiátricas, neurológicas ou cardíacas ou infecções crônicas, como Hepatite e HIV.

É indicado que as mulheres com essas doenças prévias devem conversar com seu especialista o desejo de engravidar, antes de interromper o método anticoncepcional. Este médico, deverá com o obstetra avaliar as medicações e condutas que devem ser tomadas antes da concepção e durante a gestação.

  1. aquelas que tiveram uma gestação anterior de alto risco:

recomenda-se o acompanhamento de alto risco, em pacientes que tiveram uma gravidez anterior com histórico de hipertensão, abortos de repetição, descolamento prévio da placenta, por exemplo.

Neste caso, o obstetra terá um olhar mais criterioso para essa paciente.

  1. aquelas que identificam, no curso da gravidez, uma condição ou doença que vai oferecer risco para ela e a para o bebê.

Também pode ocorrer que durante a gestação a paciente apresenta um quadro de diabetes que não existia antes, ou a descoberta da pré-eclâmpsia, bem como ter uma infecção viral ou bacteriana.

De acordo com essas condições, a avaliação pré-natal será diferente de uma avaliação normal, incluindo alguns exames laboratoriais ou de imagem em maior número que o protocolo do pré-natal normal, bem como mais consultas por mês.

 

Fique por dentro sobre os cuidados com sua saúde: leia nossos artigos no blog e nos acompanhe nas redes sociais.

× Como posso te ajudar?